ONIX ADM

CRECI: 12.573-J

Dicas para condomínio

Sugestões de normas de segurança para portarias
- Os porteiros devem permanecer sempre no interior das portarias.
- Ao atender estranhos, manter o portão fechado e as pessoas do lado de fora.
- O portão só deve ser aberto após:
- Identificar o visitante e
- Avisar o morador sobre a conveniência da entrada.
- No caso de entrega de encomendas:
- Avisar o condômino e solicitar sua presença na portaria e
- Na ausência do condômino, receber e guardar para posterior retirada pelo morador.
- No caso de pequenas entregas, sugere-se uma caixa na recepção, com portinhola, para facilitar a entrega e evitar a entrada do entregador.
- Ao receber prestadores de serviço, identificá-los, anotar os dados de seus documentos, avisar o condômino e só permitir a entrada mediante a autorização do morador.
- Não permitir a entrada de pessoas não solicitadas.
- Não acredite que um estranho uniformizado é sempre legítimo. Em caso de dúvida, consultar o seu empregador.
- Na entrada ou saída de pessoas do condomínio, somente abrir o portão após verificar se não há suspeitos nas proximidades.
- Caso note alguma pessoa, motocicleta ou veículo sistematicamente passando e observando a residência ou o prédio ou algum carro parado com pessoas em seu interior nas imediações, procure observar as características e telefone de imediato para a Polícia Militar (190), que mandará uma patrulha para o local.
- Cuidado com as crianças para não abrirem as portas a pessoas estranhas, sem a aprovação de um adulto.
- Na hora de recolher o lixo ou de limpar as áreas externas, todas as portas de entrada devem estar fechadas.
- Manter a porta da garagem sempre fechada.
- Ao abrir o portão da garagem, identificar o motorista e verificar se não há suspeitos próximos.
- À noite, manter um bom sistema de iluminação externa, deixando também algumas lâmpadas internas acesas. A portaria deve ficar às escuras e o exterior bem iluminado.
Fonte: sites da Polícia Militar em diversos estados

ANIMAIS – Como lidar em apartamentos e condomínios de casas
- Apesar de muitas convenções proibirem animais em condomínios, a Justiça vem dando ganho de causa a proprietários de animais que não representem perigo aos condôminos;
- A tendência das convenções dos condomínios recém-formados é permitir animais em suas dependências;
- Caso a convenção não permita animais, o condomínio pode criar regulamentos para lidar com a “tolerância” aos mesmos;
- Os maiores conflitos, em edifícios residenciais, se relacionam ao barulho e à presença dos animais nas áreas comuns;
- Para evitar aborrecimentos, o ideal é criar regras claras de transporte e permanência dos bichos de estimação. A assembléia e o regulamento interno podem determinar essas normas;
- Dentro da regulamentação, podem-se criar regras específicas para animais cuja permanência não é bem-vinda. A lista pode incluir desde determinadas raças de cães até algumas espécies, como répteis ou animais silvestres. Podem também levar em consideração o porte e a periculosidade dos animais;
- No caso de evidentes maus tratos a um animal por parte de morador, o condomínio pode recorrer a notificação e multas, além de denunciar o ocorrido às autoridades;
- Em condomínios horizontais, os procedimentos para a presença de animais são os mesmos, assim como as regras de conduta. Há, no entanto, algumas peculiaridades que devem ser observadas;
- O uso de focinheiras para raças maiores ou mais agressivas é recomendável e deve constar no regulamento interno
- Também é recomendável a obrigação do uso de coleiras para os animais de pequeno porte, quando houver animais de raças mais agressivas no condomínio;
- Em alguns condomínios, os animais têm o hábito de circular entre as casas. Se esse costume for bem-vindo por parte dos moradores, o regulamento deve permiti-lo;
- Vale, no entanto, uma regra geral também para condomínios de casas: a presença de animais deve ser discutida e ter normas claras definidas pelo regulamento interno.

Produzido por: Marcasite!